Entre em contato:
(11) 9 9410-5364
psicologo@leonardomilan.com.br
VIOLÊNCIA E AGRESSIVIDADE

Uma das coisas que mais tem me chamado atenção nas redes sociais desde que voltei a participar, refere-se à maneira pela qual as pessoas vêm dando expressão à agressividade.

Notadamente nesta última semana, me impressionou a repercussão a respeito da reprovável (e por que não dizer “des-humana”) agressão dirigida contra o indefeso cachorro no supermercado.

A manifestação de um enorme contingente de pessoas demonstra uma mobilização emocional de grandes proporções diante desta ação violenta. Mas o que mais me afetou mesmo foi perceber que, para muitos, a reação e resposta agressiva direcionada ao agressor foi da mesma intensidade (ou ainda maior) daquela na qual o cachorro foi vítima.

Isto me fez pensar que agir pelo impulso representa a manifestação indiferenciada da identidade humana, situação na qual está presente o rebaixamento ou ausência da principal característica que nos torna diferente dos demais seres vivos: a “consciência”.

Dethlefsen (2007) nos apresenta a agressividade como um impulso característico da vida animal e que por si mesma, na expressão humana, não é perigosa. Nos mostra também que esta agressividade não deixaria de existir caso nos negássemos a percebê-la.  Acrescenta que o fato de observá-la também não faria com que se tornasse maior ou pior.

Assim, acredito que, durante todo o tempo em que este impulso estiver oculto na parte menos iluminada de nossa personalidade (que na abordagem Analítica chamamos de sombra), estará fora do alcance de nossa “consciência” e neste caso sim se tornaria perigosa.

Foto de Marco Bianchetti no Unsplash

Sabemos o quão difícil vem sendo mantermos nossa consciência preservada e quanto vêm sendo fácil a manifestação de nossas sombras, como foi possível perceber em todo o caso referente à agressão ao cachorro no supermercado que utilizei de ilustração.

Penso ser bastante pertinente levarmos em consideração nas nossas manifestações, principalmente relacionadas às nossas afetações originárias da experiência com a violência e agressividade, uma das frases mais ilustres de Carl Gustav Jung em sua obra “A prática da Psicoterapia”:

Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão”.

A ponderação, reflexão cuidadosa acerca de nossas respostas emocionais diante de todas as situações que nos mobiliza, me parece ser caminho promissor em busca de um destino no qual o respeito e a dignidade humana prevaleça, bem como da construção da “consciência”.

Leonardo Milan, Psicólogo e Especialista em Psicologia Clínica (CRP 06/31.748)

07/12/2018.

Deixe uma resposta

Psicólogo Leonardo Milan
Enviar mensagem